Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.
Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

TRANSPORTE PÚBLICO RUIM OBRIGA BRASILEIRO A COMPRAR CARROS

Podemos dizer que o transporte público soteropolitano não é exatamente um orgulho para Salvador. É caro, desconfortável, relativamente lento e muito pouco eficiente quando se vive nas regiões mais periféricas da capital Baiana e se comparado com outros centros urbanos.  Essa situação ocorre em diversas grandes cidades brasileiras.

Só de imaginar a ideia de pegar um ônibus em Salvador, quem pode (e quem não pode também) corre para uma concessionária e compra um carro ou uma moto. Mas essa não é uma realidade isolada da Bahia.

De acordo com Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores (Sindipeças), O Brasil hoje tem cerca de 1 carro para cada 6 habitantes, atingindo a marca de 32,4 milhões de carros em todo o país. Certamente, muitas dessas pessoas queriam mais do que um carro novo na garagem. Elas estavam interessadas em se livrar do precário transporte público brasileiro.

E talvez essa seja a raiz do problema.

Embora possa parecer uma teoria de conspiração retirada de um filme tipo B, talvez seja preciso que o Brasileiro faça a si mesmo a seguinte pergunta: Quem teria interesse em ter um carro no Brasil caso o transporte público fosse de qualidade?

Com um transporte público de qualidade, talvez poucas pessoas se interessassem em comprar um carro e ter que lidar com a burocracia estatal, pagar impostos do veículo,  bancar estacionamentos…. enfim, movimentar a economia “tupiniquim”. Existe ainda o dinheiro sagrado do flanelinha da sua rua que vai riscar o carro caso não goste do dono do veículo ou do valor da gorjeta.

A lógica do mercado brasileiro aparentemente é fazer com que o trabalhador sinta a necessidade de comprar um o veículo próprio para evitar as situações bizarras do transporte público como preços altos por um serviço pífio.

Seria um tanto quanto paranóico afirmar que a baixa qualidade no transporte público em Salvador está relacionada com a tentativa proposital do governo de impulsionar a venda de automóveis, mas seria irracional?

Matéria minha originalmente publicada no NuvenDigital

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Pressão social sobre o homem

Ao contrário do que dizem muitos desses metidos a pessoas especiais , poucas pessoas conseguem viver longe das pressões sociais. A maioria delas está morta.

Vamos considerar aqui, pressão social, como a expectativa que a sociedade faz de você e quando a sociedade se frustra quanto as projeções que faz , não é legal.

Isso para o homem está sempre direcionado para que façamos as coisas do jeito errado. Que homem nunca foi chamado de frouxo por não corresponder a expectativa de ser corajoso (burro)? Homens precisam fazer coisas idiotas o tempo todo para serem homens? O tempo todo é exagero, mas ao sexo masculino foi lhe dado a incubência de ser imprudente. Caso contrario o constrangimento pode ser brutal.

 Ao contrario do que a maioria das mulheres pensam, homens fazem coisas idiotas por basicamente dois motivos: poder e garotas. Sendo que usam o primeiro para arranjar o segundo. Para o homem é difícil ouvir uma mulher ou amigos o chamando de frouxo, viado ou qualquer adjetivo do gênero. É a sua masculinidade que esta em jogo. A honra do macho. Então fazem merda. Mas quem não faz

Dica de filme: #Sucker_Punch



Uma garota inserida em um triste mundo, cria um universo só seu para escapar da realidade. Essa foi a sinopse ridícula que eu lí sobre o incrível filme Sucker Punch, que ao contrário do que diz o texto descritivo acima não é uma nova versão do fantástico mundo de Bob.

Um visual que mistura garotas usando roupas que a gente encontra nos mangás estilo hentai, lutas incríveis, mas ainda assim com um toque de garota. Esse é Sucker Punch.

Uma jovem e jogada em um sanatório por seu padrasto ganancioso e está prestes a ser lobotomizada. No momento em que a protagonista vai levar uma agulhada enorme na cabeça, tudo muda. Ao invéz de um sanatório a protagonista, agora nomeada de Baby Doll, está em um bordel e precisa passar por uma série de provas para fugir dali.

A parte interessante é que quando a #Baby_Doll dança ela é transportada para um mundo onde tudo pode acontecer. Além das roupas retiradas de hentai japonês que são muito legais.


Normalmente esse blog não indica filmes com menos de dez anos (Esse foi lançado em 2011), mas Sucker Punch foi um filme que me ganhou pela boa utilização de seus efeitos e pela história legal.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

FlashMob #LapaFede

Acontece na próxima semana, 28 de dezembro,  em Salvador, o flashmob #Lapafede. A concentração vai começar a partir das 14h na escadaria da biblioteca dos Barris onde as pessoas interessadas na manifestação vão se reunir para discutir como será feito o flashmob.

De adiantamento o o pessoal do FlashmoBahia que esta organizando a coisa toda pediu para quem puder levar cartazes e máscaras protetoras, pois aparentemente isso vai fazer parte da mobilização.

 Para quem não sabe Fleshmob é o tipo de movimentação que envolve algum tipo de intervenção no ambiente, podendo ser política ou não. Quem estiver querendo saber mais sobre o assunto pode ir dá uma olhada na página no facebook do Flashmobahia

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Balelas que todo homem escuta - Parte 1

*Em mais uma vez em minhas tentativas de falar sobre coisas que homens passam decidi criar uma lista de 5 mentiras que os homens escutam das mulheres. Essa lista não está pautada na quantidade de mulheres que contam a balela, mas sim no tamanho da mentira.

"Eu tive poucos parceiros sexuais"

 Todo homem já ouviu alguma mulher mentir a respeito da quantidade de parceiros sexuais. Não são poucos os homens que no decorrer de um relacionamento descobrem que suas parceiras não conheceram tão poucos homens assim.

Temos que ser honestos. Camaradas essa mentira é mais culpa nossa do que delas. Não é raro perceber que homens se assustam com mulheres com mais estradas que eles. A amizade masculina  também não ajuda, vai me dizer que você nunca riu de um camarada amigo seu por ele está tendo um relacionamento sério com uma mulher que tenha "aquela fama". Homens sentem medo disso, da piada que sofrem na rua, do mesmo modo que muitas mulheres ficam apavoradas quando percebem que estão ganhando o título de promíscuas.

 Embora se fale muito a respeito das mudanças de identidade cultural quanto ao gênero muitos conceitos são guardados, principalmente quanto a ideia da honra masculina que não e fácil de se lidar. Para o homem a humilhação é pública e seus únicos amigos estão em uma garrafa de cerveja.

sábado, 17 de dezembro de 2011

Anonymous declara guerra digital ao congresso americano

Ok. Isso parece loucura, mas os caras do coletivo Hacker Anonymous (Ou como eu gosto de chamar "os ninjas") declararam Cyber War  ao congresso dos Estados Unidos.

 De acordo com o site Question More o Anonymous estaria lutando contra os legisladores americanos que estão prestes a aprovar para 2012 uma lei onde todo e qualquer cidadão pode ser preso mesmo que a justiça o tenha considerado inocente. A informação teria como fonte o próprio coletivo.

O Anonymous inclusive, já estaria realizando Cyber ataques a senadores que apoiaram a ideia, expondo relações de Lobby e subornos descobertos através de invasões em contas consideradas particulares. Vocês podem acompanhar a guerra digital pela tag #OpAccountable no twitter.

Enquanto um grupo de Hackers com fígado de adamantiun estão declarando guerra por ai, o soteropolitano não sabe nem o que é o PDDU (Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano). Estamos mais preocupados com quem vai jogar no Bahia ou Vitória ano que vem.

 Eu como jornalista escuto as reclamações de meio mundo de gente sobre a falta de estrutura em Salvador. Foda-se, em 2012 uma galera vender o voto por uma cerveja de graça.

#OcupeBrasília, eu quase acreditei em você

Para quem não sabe (e é provável que você não saiba mesmo) essa semana rolou o #OcupeBrasília. De acordo com a Une (União Nacional dos Estudantes) cerca de 200 estudantes estavam acampados no planalto central com o objetivo de exigir entre outras coisas 10% do PIB nacional para educação.

Quando eu fiquei sabendo dessa notícia honestamente me empolguei, cheguei aescrever algumas notícias a respeito no Nuvendigital, página qual fui contratado para atualizar. Pensei até em juntar uns amigos e partir pra lá.

Então comecei a receber textos da Une com nomes de políticos que se diziam apoiadores do movimento. Nesse momento voltei a minha condição de jornalista paranóico, apático e bebedor de café. No final das contas eu me vi miseravelmente certo. O #OcupeBrasília acabou em uma semana, não por terem sido expulsos, como a maioria das ocupações pelo mundo.

De acordo com o texto que eu recebi da própria Une, eles simplesmente decidiram que era hora de ir embora. Os 10% para a educação? A votação da coisa toda  foi adiada.

 Em Moscou tem gente enfrentado o frio congelante dessa época do ano. Nos Estados Unidos as ocupações se comportam como o Jason, não importando quantas vezes a polícia solte os cachorros sobre eles. Os caras sempre voltam em maior número e mais despirocados. Existem países onde os manifestantes enfrentam balas de borracha e gás lacrimogêneo, mas não vão embora. O #OcupeBrasilía acabou depois de uma semana, e eles nem foram expulsos!

Entretanto isso não quer dizer que todas as ocupações no Brasil seja essa coisa duvidosa. Em Salvador o #ocupeSalvador tem tido que lidar com a apatia do baiano tentado concientizar o soteropolitano a respeito do PDDU da copa. Entre os duzentos do #ocupebrasilia e os quinze do# OcupeSalvador, fico com a segunda opção.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Top Listas (IiIiIi/JjJjJj)

Essas seleções definitivamente só melhoram a cada nova postagem. Viva!!!


I
ncubus – Megalomaniac



Joan Jett - Bad Reputation



Joe Cocker - Dear Landlord



Jet - K.I.A. (Killed In Action)



Julian Casablancas - 11th Dimension



Jarabe de Palo – La Flaca



Jupiter Maçã - Modern Kid


Top Listas (GgGgGg)

Tanta música boa que chega dá vontade de apertar play tudo de uma vez só. Acredite, vale a pena escutar todas! #enjoy

Gossip - Standing in the Way of Control



Garotas Suecas - Bugalu



Gogol Bordello - American Wedding



Gotan Project - Santa Maria



Grace Jones - Corporate Cannibal



Gabriel o Pensador – Até quando?



Gorillaz - Tomorrow Comes Today

Dica de filme: O Selvagem (1953)

Poucas coisas são tão legais quanto o filme O Selvagem (The Wild One). Nessa época os homens sexies do cinema americano eram minimamente parecidos com um homem.

No papel principal desse clássico do cinema estava Marlon Brando que nesse filme dirigia uma motoTriumph Thunderbird 6T, além de vestir uma caracteística jaqueta de couro que se consolidou como uma vestimenta de cunho sexual após o filme.

Esse trabalho  conta a história de uma gangue de motoqueiros que invade uma pequena cidade. De início os jovens não causam grandes problemas, nada além de um pequeno incidente com um carro. Na verdade havia até um comerciante local lucrando com a venda de grandes quantidades de cerveja devido a chegada de Johnny Strabler (Marlon Brando)e seu bando.

As coisas começam a ficar fora de controle no momento em que Chino, lider da antiga gangue de Johnny Strabler aparece procurando brigas e satisfações.

 O Selvagem e um desses filmes que marcaram época positivamente, transformou a jaqueta de couro em um ícone cool e foi o primeiro grande filme de Marlon Brando. Honestamente não sei como alguém pode sobreviver sem ver O Selvagem ao menos uma vez na vida.

Você provávelmente vai conseguir  achar esse filme no http://arapongasrockmotor.blogspot.com/, mas se te perguntarem não fui eu que te contei.

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Nem todo sofrimento é culpa do homem

Em minhas pesquisas sobre comportamento sexual feminino para o meu TCC (trabalho de conclusão de curso) notei algo realmente perturbador enquanto homem que sou. Que porra de mania é essa existente onde nós , machos, somos os responsáveis por todos os malditos problemas da terra.

Vai me dizer que vocês nunca ouviram uma mulher te responsabilizar pela vida infeliz que ela leva, sendo que nada a impede de ir embora quando quiser.

 Com a modernidade certamente a identidade cultural que ficou mais confusa foi a do homem. Somos exigidos a respeito de sensibilidade pelas novelas, mas no mundo real isso é visto como sinal de fraqueza. Chore na frente da sua namorada e é provável que ela não vá ver você com bons olhos.

Os homens estão confusos sobre o que é ser homem, por não mais querer serem vistos como o grande problema da humanidade. Mas as mulheres querem esse cara ? Escuto continuas histórias de companheiros que tratam suas namoradas como domésticas e garotas com namorados nada legais. Então tenho minnhas dúvidas a respeito da opinião da mulheres sobre esse macho moderno.

O interessante é que se fala muito pouco sobre o homem especificamente, a maioria dos artigos que eu encontrei sobre sexualidade trata da mulher de homossexuais, adolescentes.

Do homem heterossexual pouco se fala. É como se a gente fosse uma peça obsoleta da sociedade, mas o macho  ainda existe e estamos por aí tentando sobreviver em um mundo onde a identidade masculina é algo cada vez mais confuso.

 Não estou pedindo peninha, só acho que talvez seja hora de tirar o aspecto de vilão dos seres de pênis para que todo mundo esteja em conjunto no debate

domingo, 11 de dezembro de 2011

Top Listas (DdDdDd/EeEeEe/FfFfFf)

Pelo título já pode se ver que juntamos nesse post várias letrinhas. Agora, para ser sincera, eu queria uma publicação somente para Foo Fighters e outra para Franz Ferdinand. Deixarei para a próxima, certo? Só para deixar registrado, mesmo com o Franz Ferdinand lançando tanta música excelente depois de Take me Out eu resolvi escolher esta por ser a primeira música deles que tive a oportunidade de escutar, justamente através do clipe. A junção desse vídeo com essa música definitivamente me marcaram, me fazendo amar essa banda desde o início.

Vamos lá >>


Damn Laser Vampires – Boom Shack-A-Lak (Apache Indian)



E
minem – Lose Yourself



Foo Fighters – Best of You



Franz Ferdinand – Take me Out



Top Listas (CcCcCc)

Me surpreendi ao ver a quantidade de músicas selecionadas dos artistas iniciados com a letra C para essa lista: 41 canções! Isso mesmo, além de fazer a lista dos artistas, separo também as minhas músicas preferidas dentre eles. Outra coisa que eu reparei e me deixou maravilhada: são todos artistas nacionais! Adorei essa excelente junção. Bom, ao final, me diverti muito fazendo essa seleção, redescobrindo várias músicas e quase me perdendo em tantos vídeos bons. Espero que aproveitem também >>


Cazuza – Ideologia




Cascadura – O Centro do Universo




Cássia Eller – O Segundo Sol




Chico Science e Nação Zumbi – Da Lama ao Caos




Cachorro Grande – Lunático




Cansei de Ser Sexy – Let's make love and listen




Copacabana Club – Just Do It





Colombia Coffee - As coisas que ela diz





Cantos dos Malditos na Terra do Nunca – Sinta Vontade de Ficar





Chico Buarque – Roda Viva

Top Listas (BbBbBbBb)

Continuando a seleção dos nossos artistas preferidos, vamos pular para a próxima letra do alfabeto, que nos reserva ótimas surpresas.


Black Rebel Motorcycle Club - Beat The Devil's Tattoo




Black Drawing Chalks - My Favorite Way




Buena Vista Social Club – Chan Chan




B. B. King – Everyday I Have the Blues


sábado, 10 de dezembro de 2011

Top Listas (AaAaAaAaAa)


Vamos iniciar uma série de listas com o melhor do que há em nossas playlists. As publicações serão divididas em ordem alfabética de acordo com o nome do artista, além da categoria especial, reservada para o final, de trilhas sonoras.

Aperta o play e aumenta o volume >>

AaAaAaAaAa

Arcade Fire – Ready to Start




Apocalyptica – Enter Sandman




Adele – Rolling in the Deep




AC/DC – Back in Black




Amy Winehouse – Back to Black


sábado, 3 de dezembro de 2011

Baixo Augusta




Nesta sexta, 2, saiu o novo CD da banda gaúcha Cachorro Grande, chamado Baixo Augusta. Os rapazes mudaram de gravadora, e agora na Trama Virtual podemos fazer o download do disco completo totalmente de graça, com direito a imagens do encarte e tudo o mais. Nesse link é possível acessar o CD do Cachorro Grupo e muito mais.

Bom, como eu descobri tudo isso enquanto eu estava no trabalho, não tive a capacidade de esperar até chegar em casa para poder conferir o novo som dos caras, então eu fiz o download ali mesmo, passei para o meu celular, e fiquei escutando discretamente com o fone de ouvido. De início, eu pensei que o fato de eu estar trabalhando não me faria prestar atenção suficiente nas músicas que eu estava acabando de conhecer, no entanto, as músicas que eu considerei realmente boas nesse primeiro momento me faziam parar de trabalhar por instantes e dar mais atenção à elas.

Durante essa primeira impressão a música que mais marcou foi a faixa 5, Só você que não. De início, foi a que eu mais gostei, e essa opinião se manteve depois de eu já ter escutado o CD umas quatro vezes. “Só você que não” é a minha música preferida do novo CD do Cachorro Grande. Em segundo lugar, após essa primeira impressão, vem a faixa 4, que leva o nome do disco: Baixo Augusta.

Depois de escutar todas as 11 músicas, somente essas duas marcaram, então eu pensei que talvez houvesse algo de errado aí, (poxa, C.G. é bom, eu adoro eles) e lá fui eu escutar novamente. Após esse segundo momento eu já consegui coletar outras músicas que, mesmo não tendo gostado tanto quanto das outras duas, eu pude verificar que eram boas também. São elas: Não entendo, não aguento (Faixa 1), O Fantasma do Natal Passado (Faixa 8) e Surreal (Faixa 9). Teve outra na qual eu reparei também, mas de forma negativa: eu não gostei da faixa 11, Mundo Diferente.

Todas as vezes em que eu escutei essas músicas foram no trabalho, enquanto eu estava fazendo várias outras coisas, então, no trajeto no ônibus de volta para casa pensei em tirar a prova com mais cuidado das demais canções, e perceber se as que eu tinha marcado como boas, realmente eram boas. Nesse terceiro momento, a primeira que eu notei como boa foi a faixa 3, Tudo vai Mudar. Essa música tem algo que me remete logo à eles, e uma pegada excelente. Logo em seguida eu reparei em “Volta pro mesmo lugar” e finalmente “Difícil de segurar”, que é realmente boa, mesmo que não tenha nada de novo.

Uma canção que eu esperava mais devido ao nome e ao escutar não gostei foi “Cinema”. Eu a escutei umas três vezes até me convencer que eu realmente não gosto dela. Agora eu espero pelos clipes, que ás vezes pode fazer uma música sem graça ficar muito boa e ter personalidade. Várias músicas que eu escutei pela primeira vez já com o clipe me fizeram gostar muito mais do som do que eu se tivesse escutado somente a canção.

Bom, segue abaixo a lista com todas as faixas, e vamos torcer para que eles voltem à Salvador em breve, para eu gritar mais ao som dos caras, que ao vivo é muito melhor do que eu imaginava nos meus mais extravagantes sonhos.

Baixo Augusta >>
1. Não entendo, não aguento
2. Dificil de segurar
3. Tudo vai mudar
4. Baixo Augusta
5. Só você que não
6. Corda Bamba
7. Volta pro mesmo lugar
8. O Fantasma do Natal passado
9. Surreal
10. Cinema
11. Mundo Diferente



quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Revolta do Dia (da semana, do mês, do ano, de sempre)

Vamos aos fatos que me levaram a ter pequenas revoltas e querer expressá-las....Argh, sério, estava me angustiando ter que pensar nessas coisas e não saber como jogá-las para bem longe de mim.

Primeiro:
Machismo = Ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio
Mulher Machista = Ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio ódio


Eis o papo:
Eu: Ah não costumo comprar carne, pois não sei escolher, ver qual o tipo melhor e talz...

Mulher 1: Hum, você tem que aprender, você não vai casar não é?

Eu: NÃO!

Mulher 1: Ah, e se casar, quem vai cuidar do marido?

Eu: Ele mesmo!

Mulher 2: Ah, e é assim que funciona é?

Eu: Claro. Ele come da mesma forma que eu, ele suja da mesma forma que eu, então porque apenas eu tenho que cuidar das coisas da casa? Ou ele faz comigo, ou ele paga uma empregada para fazer, ou ele volta para a casa da mãe, pois eu não vou fazer sozinha não.

Mulher 2: Ah, na prática não é bem assim não, no final, a responsabilidade é sua.

Eu: Então eu não caso nunca, pronto, assunto resolvido! Se for para casar, com certeza não vai ser com alguém que pense dessa forma declaradamente machista.

Enquanto as duas ficaram tentando me convencer que “não é bem assim não”, eu saio do ambiente, pois já estava vendo que elas iam continuar defendendo a posição machista, e eu definitivamente não tenho paciência para esse tipo de coisa.
Sério que uma altura dessas eu ainda tenho que ouvir coisas como essa? Quem é a louca que casa para cuidar dos filhos dos outros? Sério, porque o rapaz vem com os péssimos hábitos adquiridos na casa da mãe sem noção que reforça essa posição machista, então... quando casar, a maioria dos homens acha que irá morar com a mulher para fazer dela a sua esposa/empregada...
Nem nos sonhos mais alucinantes desses senhores que isso vai se perpetuar, pelo menos não comigo. Quanto desaforo!
E o pior, essas mulheres acham que é normal, que elas tem que cuidar disso tudo mesmo: trabalhar, cuidar dos filhos, cuidar da casa, cuidar do marido...
Que ódio de quem pensa assim e de quem ensina os filhos e filhas a pensarem dessa mesma forma.
Ou lava o que sujou, ou paga para alguém lavar, ou volta para a casa da mãe sem noção que reforça essa posição machista!
E tenho dito!
Homem folgado e sem noção não cola não, se vier botando banca vai para a lindíssima rua!!!

Pronto, já externei a minha primeira revolta!
Agora vamos a segunda...
Fátima Bernardes e Patrícia Poeta.
Se você esteve no Brasil por pelo menos cinco minutos durante esta quinta já sabe do que eu estou falando.
Olha, primeiro, eu sou formada em Jornalismo, ok?
Mas isso não significa eu me importe com o que acontece no saco da Globo e no saco do Jornal Nacional.
Quem ainda assiste Globo minha gente!? Sério que você ainda se informa vendo Jornal Nacional...?
C@r@Lh# meu irmão, muda essa rotina!!!

Vou lhe dizer uma coisa: Quer irritar um jornalista? Pergunte a ele quando ele vai aparecer na Globo, quanto ele vai substituir Fátima Bernardes/William Bonner na bancada do Jornal Nacional.
Estão aí duas coisas irritantes de gente que acha que Jornalismo é só televisão, e que só existe a Rede Globo no Planeta Terra.

P#RR@, é sério isso!? Então, quando acontece essa coisa entediante de quem sai do jornal, de quem entra, pronto, o povo acha que isso é interessante.
E as pessoas falam comigo imaginando que eu acho isso interessante, pois eu sou jornalista. Acreditam realmente que a minha meta profissional é ir para a Globo. Faz-me rir!
Nesses momentos eu realmente penso que eu seria mais feliz em outra profissão.



Eu vou virar bicho-grilo, ok!? Em um lugar sem machista e sem televisão! E ponto final.

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

As bandas que conheci essa semana

Unkle e Black Rebel Motorcycle Club.

Como eu as conheci?

Através da trilha sonora do seriado britânico Misfits, mais especificamente ao visitar esse site misfitsbrasil.com

Na seção Músicas há uma relação das canções que foram tocadas em cada episódio em cada temporada.

Fui clicando, pesquisando, e entre os novos sons que eu conheci, essas duas bandas se destacaram, e já posso dizer orgulhosa que tenho praticamente a discografia completa de ambas.

A música que fez surgir o interesse em Unkle foi essa: Lonely Soul, com participação de Richard Ashcroft.

Após ouvir essa música, não parei até conseguir o máximo possível dos CDs dos caras.

Checa só:




E essa também é muito boa:




A outra banda tem um som que me parece familiar, mas se eu havia escutado alguma música deles, não haviam me apresentado os compositores.

De qualquer forma, eu realmente curti Black Rebel Motorcycle Club:


sexta-feira, 4 de novembro de 2011

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

A arte de postergar



Hoje não, meu domingo é sagrado. Tenho o direito de descansar e “ficar de boa”. Tenho o resto da semana toda ainda. Até sexta-feira me sobra muito tempo. Chega segunda: ordem do dia é estudar assim que chegar em casa pela noite. Ah, mas tem terça ainda, e faltam quatro dias até sexta, então...na terça eu começo sem dúvida.

Hum, chegou quarta. Poxa, ainda me restam dois dias, o que custa deixar um pouco para depois. Mas não, isso está errado. Hoje eu leio sem falta. Pelo menos o começo né. Ah, mas antes eu vou ver uns seriados, depois eu janto, depois eu vejo outro seriado enquanto eu janto. Hum, esse episódio acabou de forma tão emocionante, preciso ver o próximo.

Opa, já são quase dez horas. Esticar a noite para adiantar os estudos? Mas amanhã o dia começa cedoooooooooooo...e o prazo está apertadoooooo. Quinta-feira é o ultimato, pois sexta já tenho que estar com os textos lidos. Então que tal eu parar de perder meu tempo escrevendo esse post e ir finalmente ler os benditos textos, hein? Com certeza não me fariam tal mal assim. Ok, vamos lá... 3, 2, 1... “A reflexão que se pretende realizar no âmbito das Políticas Educacionais no Brasil, diz respeito as ações e programas na área de Educação a Distância e a inserção das Tecnologias da Informação e Comunicação nesse campo. Pretende-se pois, pontuar alguns limites e...”


terça-feira, 25 de outubro de 2011

Indicações para Júlia Rocha

Entre os preparativos para a peça do Festival de Matemática do colégio, Júlia se viu diante de um dilema: com qual música encerrar o espetáculo? E ainda, que tivesse algo a ver com o tema! Nossa, tarefa difícil. A sugestão em torno do tema foi algo logo descartado, pois chegou-se a conclusão de que músicas relacionadas a Matemática provavelmente seriam uma negação em relação a qualidade e tudo o mais.

Então, posto o problema, eis que começo a sugerir várias indicações. Dicas que eram mais baseadas no meu gosto musical do que a pertinência da situação. Abaixo, a lista das músicas na ordem em que elas foram sugeridas, até chegar a final que foi a finalmente escolhida como a ideal por Júlia.
Então, o que você está esperando: aperta o play e escolha também qual a sua música ideal.

The Beatles - Twist and Shout




Cachorro Grande - Dance Agora




Buena Vista Social Club - El Cuarto de Tula




Health - USA Boys




Garotas Suecas - Bugalu





Passion Pit - Sleepyhead





Vampire Weekend - Cousins





Retrofoguetes - Maldito Mambo!


Já elegeu qual a sua música preferida?

O som viajante de Health

Dia 12 de outubro eu fui ao Coquetel Molotov, que aconteceu no Teatro Castro Alves. Era a segunda noite de shows, dia em que eu estava muito ansiosa pelo som da banda inglesa The Fall que, infelizmente, não aconteceu, pois o grupo cancelou a apresentação no festival. Mesmo imensamente desolada (ai, tava mesmo), resolvi conferir a programação do dia 12. E que ótima iniciativa eu tive: conheci uma banda muito boa, com uma performance de palco que eu nunca tinha presenciado antes, com um som genial e que me motivou a escrever esse post agora.

A banda em questão é a que está no título do post: Health. Uma banda americana. Pronto. Era só isso que eu sabia quando fui ao show. Estava completamente desprevenida do que se tratava o estilo do grupo e tudo o mais que normalmente se pesquisa ao querer conhecer uma banda nova. No inicio da apresentação, uma surpresa: um dos integrantes começou a pular, se jogar e tudo o mais que ele conseguia fazer com o corpo completamente do nada, ao mesmo tempo em que a banda o acompanhava com um ritmo crescente na bateria e guitarra e tambor. Sim, eles tinham um cara com um tambor, que dava uma pegada excelente ao som. Além da potência da bateria, o rapazito na percussão era muito bom!

Eu admito que fiquei por uns cinco minutos parada olhando para o palco sem entender em como aquela performance “dramática” iria terminar. Dali a pouco, o vocalista (que não era o performer muito louco no meio do palco como eu imaginei no começo) começa a cantar com uma pegada viajadaaaaa. Ai, olha, não entendo tanto assim de música para explicar como era o som da banda, só mesmo escutando. Ali mais embaixo tem o link para o MySpace e de um videoclipe da música que eu mais gostei deles (um clipe meio exótico que aparentemente tiveram algumas cenas censuradas).

Bom, eu só pude ver o rosto do rapazito que ficava se jogando pra lá e pra cá muito depois, quando ele foi assistir da platéia ao show seguinte, do Mundo Livre S.A. Sério, ele se jogava e se contorcia tanto que eu jurava que ele iria quebrar o pescoço e tudo o mais que tivesse para ser quebrado. Então, depois de gostar muito do som deles ao vivo, assim que tive oportunidade procurei na internet e não achei muito material. Só mais o MySpace e esse clipe exótico abaixo. Quando tiver tempo, vou pesquisar mais por aê.

Clica aqui e viaja também vai.

O clipe de USA Boys:


Big Bands: Palestras, Mostras e Oficinas




Palestras, Mostras e Oficinas

De 25/10 a 5/11
Local: Eletrocooperativa / Praça das Artes (Pelourinho)
Valor: Grátis
Horários: das 15h às 19h30

Palestras
25/10
Horário: 18h às 19h
Tema: o rap como novo gás na produção alternativa da cidade: modelos de gestão de grupos independentes na Bahia.
Participantes: Daganja (rapper), Nelson Maka (professor universitário/Blacktude), Mediador: Rangel Santana (Positivoz / Versu2)

26/10
Horário: 17h às 19h
Tema: produção da música independente na Bahia: desafios contemporâneos para gravar, produzir, divulgar, distribuir e tocar.
Participantes: Vandex (músico/Tv Vandex), Vince de Mira (Rede Motiva/Zona Mundi/Maquinário Produções), Irmão Carlos (Irmão Carlos E O Catado / Caverna Do Som) Mediador: Rogério Brito (DJ/Agencia Fde/Quina Cultural/Bbrecords)

27/10
Horário: 17h às 19h
Tema: Profissionalização e mercado: cenário contemporâneo da música independente na Bahia
Participantes: Chico Castro (jornalista, crítico de musica), Osvaldo Silveira (MTV Salvador), Luana Vilutis (doutoranda UFBA/Unicult/FDE), Mediador: Messias Bandeira (doutor/UFBA-Hiac/Unicult)

Mostras
Tema: A Música Autoral Independente Brasileira
Valor: Grátis
Horário: a partir das 16h
Local: Eletrocooperativa / Praça das Artes (Pelourinho)
O que: serão exibidos pequenos formatos de videoclipe e documentários sobre o panorama da música autoral independente brasileira: videoclipes da produção musical independente brasileira, documentários sobre a produção independente de bandas brasileiras, documentário sobre festivais independentes brasileiros.

25/10
Videoclipes e documentários sobre Hip Hop

26/10
Videoclipes e documentários sobre bandas autorais Independente

27/10
Videoclipe de bandas autorais e Documentário sobre festivais independentes
Link
Encontros
03/11
Horário: 15h
O que: Clube de Cinema Fora do Eixo
Participantes: Rafael Rolim (Audiovisual/ FDE)

04/11
Horário: 15 h
O que: reunião com bandas e agentes da cultura com a CAFE São Paulo
Participantes: Felipe Altenfelder (Musica Fora do Eixo), Rafael Rolim ( Áudio Visual / Comunicação) e Thiago Dezan (FDE).

Oficina
05/11
O que: oficina de idealização, roteirização e criação de vídeo em micro formato com celular
Valor: Grátis
Horários: 8h às 18h
Local: Eletrocooperativa / Praça das Artes (Pelourinho)
Disponibilidade: 15 vagas (inscrições no local)
Público: a partir de 13 anos
Pré-requisito: celular que filme e capture som/imagem de qualidade
Produção: Épuras Cultural E Quina Cultural
Marcela Costa - cineasta
Lucas Quinhal - video maker
Daiane Oliveira - produtora cultural
Nara Pino - produtora cultural

Mais informações: Quina Cultural

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

FESTIVAL BIGBANDS 2011 - de 25/10 a 06/11




Programação:

25/10
O que: Cabaré fora do eixo
Onde: Postudo (Rio Vermelho)
Valor: R$10
Horário: 20h
Atrações: Abertura com Dj Big Bross
Apresentação do cabaré com Viviane Abreu
Show acústico Pirigulino Babilake
Toto-vídeo 'causos fotografados' com Rodrigo Wanderley
Performance com Mab Cardoso e Ian Cardoso
Malabares e performance com Dery (malabares mágicos) e João Matos
Intervenções visuais com Orquestra Sporo
Números de palhaço com Cia Pé Na Terra
Encerramento com Dj Bernard Le Querré

27/10
O que: Halloween Quinta Trash
Onde: Carlos Gomes
Valor: R$15
Horário: 22h
Atrações: Guns, Bigbross, Alma, Maldito, Teck Tech Bang Bang, Andre d. Singletonstripers

28/10
O que: Rockabilly Sessions
Onde: Portela Café (Rio Vermelho)
Valores: R$15 (lista amiga: listaamiga@portelacafe.com.br)
R$ 20 antecipado com CD (a venda na Companhia da Pizza – Rio Vermelho e Loja Mito – Iguatemi)
R$20 na porta
Horário: 22h
Atrações: Canastra (RJ), Dj Bigbross

29/10
O que: Tarde Extremo
Onde: Other Place (Antigo Red Devils MC) - Rua Ariston Bertino de Carvalho, 247 - Brotas
Valor: R$10
Horário: A partir das 16h
Atrações: Overturn (BA), Facada (CE), Clamus (CE)

29/10
O que: Noite Rock
Onde: Ali do Lado (Rio Vermelho)
Valor: R$5
Horário: A partir das 20h
Atrações: Autoreverso (BA), Magdalene Rocknroll Explosion (Feira De Santana/BA), Mendigos Blues (Itabuna/BA)

29/10
O que: Noite Cajá – Perfil Fest
Onde: Cajazeiras (Fim De Linha Cajazeiras VI)
Valor: R$5 (casadinha)
Horário: 15H
Atrações: Nouve (BA), Os Agentes (BA), Soul Negro (BA), Agressivos (BA), Incrédula (BA)

29/10
O que: Noite Hip Hop
Onde: Sunshine (Rio Vermelho)
Valores: R$30 (homem), R$25 (mulher)
Horário: a partir das 21h
Atrações: Black Alien (RJ), Doga Love (BA), Pedro Vuks (BH), Dj Jarrão e Mcing: Daganja

30/10
O que: Noite Hip Hop
Onde: Sunshine (Rio Vermelho)
Valores: R$20 (homem), R$10 (mulher)
Horário: a partir das 21h
Atrações: Efeito Zumbi (Feira de Santana/BA), Mc Marechal (RJ), Rashid (SP), Versu2 (BA), DJ Jarrão e Robson Veio

30/10
O que: Noite Rock
Onde: Irish Pub (Rio Vermelho)
Valor: R$5
Horário: a partir das 20h
Atrações: Tronica (BA), Você Me Excita (BA), Mamutes e Senevilton (PR)


01/11
O que: Noite Instrumental
Onde: Postudo (Rio Vermelho)
Valor: R$10
Horário: A partir das 20h
Atrações: Hessel (BA), Peito De Planta (BA), Retrovisor (BA), Tentrio (BA)

04/11
O que: Praia dos Livros
Onde: Porto da Barra
Valor: Grátis
Horário: a partir das 20h
Atrações: nuvem de DJ's com DJ Elettra e convidados

05/11
O que: Festa Punk
Onde: Dubliners Irish Pub (Rio Vermelho)
Valor: R$5 (mulher free até as 22h)
Horário: A partir das 21h
Atrações: Pastel De Miolos (Lauro de Freitas/BA), The Pivos (Camaçari/BA), Thrunda (CE), Mapache Man (BA)

06/11
O que: Faustão Falando Sozinho
Onde: Espaço D. Neuza (Marback)
Valor: Grátis
Horário: A partir das 17h
Atrações: Babi Jaques e os Sicilianos (PE), Irmao Carlos e o Catado (BA), Monograma (MG)


Mais informações: Quina Cultural


Imagens que encontrei nas minhas pastas





segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Quem não sente falta da TV Manchete?

Quando eu era criança eu não chorei quando meu cachorro morreu, muito menos quando o Brasil perdeu o penta na França em 1998 (na época eu tinha 10 anos). Mas gente, como eu fiquei indignado quando fecharam a TV Manchete, e sim, eu chorei. Essa talvez tenha sido a única emissora brasileira a respeitar a criança de verdade. Onde foi que a gente descobriu cavaleiros do Zodíaco? Jaspion? E outras tantas coisas que fizeram a infância da gente que tem mais de 22 anos como eu.

Tenho plena consciência de que as coisas acabam, mas sinto Falta da TV Manchete até hoje. Em tempos de dias das crianças resolvi buscar no You Tube abertura dos meus programas favoritos. Diga se você não queria que os anos de 1990 voltassem?

 OBS: Destaque para essa abertura fodástica do Kamen Rider Black RX (eu tinha o boneco de ação!)

OBS2: Estou falando do Kamen Rider verdadeiro, não aquela maldita refilmagem americana.













Um livro legal: Sexo secreto: Temas polêmicos da sexualidade

O livro Sexo secreto: Temas polêmicos da sexualidade como o próprio nome já diz trata sobre conceitos relacionados ao sexo que muita gente considera tabu, só que relacionando isso a questões educativas. Esse trabalho  escrito por Claudio Picazio contando ainda com a colaboração de Eduardo Bittencourt, Rogério Brugnera e Alexandre R. Araujo foi um dos textos que eu usei como fundamentação teórica para o meu trabalho de conclusão de curso (TCC).



 Já no início o texto lembra uma das coisas mais primordiais para um trabalho que envolve sexualidade que é manter a mente aberta, sem pré-julgamentos, mas com informações precisas. Esse livro me ajudou muito quando eu estava fazendo meu Trabalho de Conclusão de Curso sobre comportamento sexual feminino nesse início de século (qualquer dia desses eu divido mais desse trabalho com vocês).

Lembro que em Sexo secreto: Temas polêmicos da sexualidade eu não achei somente justificativa para algumas das minhas ideias, mas também encontrei vários conceitos novos, alguns deles serviram para que eu abrisse mais a minha cabeça.

Se você está fazendo qualquer trabalho relacionado à sexualidade esse livro é o mínimo que você deve ler. Ele faz parte da sua literatura básica.

domingo, 9 de outubro de 2011

Senhora Voorhees: minha serial killer favorita de filmes de terror

Antes de começar a ler esse post, vou logo avisando que ele tem revelações sobre o enredo do filme Sexta-feira 13 (1980).



Pamela Voorhees é de longe a minha serial killer favorita de filmes de terror. Na verdade acho que eu vi poucos trabalhos  onde o assassino em série era uma mulher. Acho que só Pânico II, na Lâmina do Machado e mais uns dois filmes que eu tenha assistido tinha como matador uma mulher.

Ser a mãe do Jason faz da senhora  Voorhees a virgem Maria dos filmes de terror slasher. Essa personagem aparece praticamente apenas no primeiro Sexta-feira 13 (1980), mas foi responsável por criar um dos maiores ícones da cultura pop.  Aquele assassino com máscara de hockey que a gente adora.

Nesse primeiro Sexta-feira 13 o Jason é que quase não aparece,  não tem a máscara, é só um guri deformado, ele nem mata ninguém . Diferente de Pamela Voorhees. O interessante é que a gente não sabe quem está matando quem até o final do filme quando a senhora Voorhees aparece e começa a perseguir a protagonista com um facão enorme. Acho o legal dessa cena é que ela mostra a loucura da mãe do Jason que fica imitando a voz do filho falando “mata eles mãe”. 

Pamela Voorhees tem uma grande importância na história do Jason, afinal, se não fosse ela o nosso herói mascarado não cresceria protegido dos males do mundo para estripar pessoas algum tempo depois. A senhora Voorhees é o que torna o sexta-feira 13 de 1980 o melhor de todos. É muito provável  que sem essa progenitora ficcional o Jason fosse apenas mais um dos assassinos que passaram pelos anos de 1980 e ninguém lembra. Pamela Voorhees pariu muito mais do que o Jason, ela deu a luz a um clássico.

Obs: Esse post simplesmente desconsidera o Sexta-feira 13 remake (2009) , pois para o Isto é uma banana remakes não são legais, simples assim.

O que você vai dizer da próxima vez em que te falarem que nordestino é um povo sem cultura

Eu nunca respondi bem a esse tipo de comentário. Escuto muito isso de membros da nossa comunidade nordestina até. Gente embebida com o espírito de superioridade irritante falando no nome de filósofos cujos nomes somente 1% da população brasileira sabe pronunciar.

A primeira coisa que você deve perguntar ao idiota que teve a infelicidade de abrir a boca para te encher o saco é:

 _Merdinha, você sabe o conceito do termo cultura?

 Obs: você tem que usar exatamente esses termos ou perde toda a diversão.

Normalmente a pessoa que inicia esse tipo de debate nunca nem ouviu falar na ideia de que cultura tem um conceito. Para agilizar as coisas eu separei para vocês essa citação do livro CULTURA Um conceito antropológico de Roque de Barros Laraia.

 "Tomado em seu amplo sentido etnográfico é este todo complexo que inclui conhecimentos, crenças, arte, moral, leis, costumes ou qualquer outra capacidade ou hábitos adquiridos pelo homem como membro de uma sociedade".1 Com esta definição Tylor abrangia em uma só palavra todas as possibilidades de realização humana, além de marcar fortemente o caráter de aprendizado da cultura em oposição à idéia de aquisição inata, transmitida por mecanismos biológicos."

 Não sei se vocês notaram, mas não existe povo sem qualquer uma dessas características, ao menos não nesse planeta, então você já tem um ponto à frente do cretino, mas ele provavelmente vai argumentar que é muito amplo. A verdade é que esse conceito vai afunilando um pouco mais, entretanto eu gosto mais desse, pois é mais legal. Além do mais duvido que você esteja discutindo com alguém que não seja estúpido, então nesse momento você pode dizer:

_Você tem um melhor? Desculpe amigo, mas não é minha culpa se você não consegue entender os processos culturais. O lance é que você não tem inteligência o suficiente para entender que existem pessoas diferentes de você e do que está considerando como o ideal, além do mais seu ideal é meio chato e vem de um elitismo muito sem vergonha.

Em resumo, se você gosta de ser nordestino acerte o miserável e passe esse sentimento adiante.
Recomendação: se o cara for maior que você, seria interessante correr.

sábado, 8 de outubro de 2011

Um som legal que eu achei por aí: Lucy and The Popsonics

Meu encontro com a Lucy and the Popsonics veio quando eu estava fazendo coisas legais por aí e me deparei com a necessidade de ouvir coisas igualmente legais. Como aqui nesse blog a gente não gosta de ficar perdendo tempo fingindo que sabe de música,  decidimos só postar o som dos caras.


 













A gente aqui do banana acredita em qualquer banda que tenha uma música chamada Eu quero ser seu tamagoshi

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Hoje me vesti como homem


Camisa de botão, calça jeans, sapato fechado de bico quadrado. Um cabelo preso, e um brinco em formato de laço azul para quebrar o visual. Pronto. Estava pronta para ir trabalhar.

“Nossa, ela usa essa camisa todo dia”, ouvi alguém dizer ao chegar ao trabalho. Todo dia não, pensei comigo. Só pelo menos uma vez toda semana.

Agora porque eu uso essa roupa tanto mesmo, hein? Ah, tão confortável, tão fácil de usar, sem se preocupar em arrumar o peito aqui ou ali, sem me importar onde minha barriga vai estar. Livre para usar esse pedaço de pano do jeito que eu me sinta à vontade e sem ofender ou tirar o direito de ninguém.

Pelo menos era assim que eu pensava (ops, ainda penso) quando me visto com roupas tipicamente masculinas. Adoro a liberdade da roupa e do conforto que me dá. Mas parece que não me cai bem, sabe. E porque? Ah, não sei, posso ter pegado aquela roupa mais feia do meu namorado (haha, que nada, as roupas são todas minhas), ou então eu como homem me vestiria muito mal. Mas não ligo, eu gosto do feio e desarrumado assim mesmo.

Agora, cade o cabelo arrumado? A sobrancelha feita, o batom passado? Dessa vez tava pelo menos de brinco? Um brilho que seja né...um pó, um blush, um rímel, um lápis...o estojo de maquiagem todo estampado na cara. Poxa, nem isso? E cadê o cinto para marcar a cintura e demonstrar o seu lado feminino? Daria um toque melhor nessa sua roupa grande e esquisita. E o salto de vez em quando, também ajuda né!

Hum, falta mais o que mesmo aí hein? Ai socorro, alguém cala a boca desse povo que agora eu quero beber, tá!!!

Dica de Filme: Pi (1998)

Esse entra fácil na lista dos filmes mais criativos que eu já vi na vida. Com imagens em Preto e Branco, PI, conta a história de Max, um cara que é um tipo de fodão da matemática e cria um computador para descobrir qual a sequência completa do número PI.



 O interessante é como o filme mostra que toda a sabedoria de Max o torna extremamente desajustado, não especial. O cara sofre de dores de cabeça e não consegue lidar com as pessoas. Em uma das cenas em que isso se torna mais evidente a vizinha do personagem principal demonstra interesse sexual no rapaz que fica completamente desconsertado, dá as costas e vai embora.

Como se não bastasse todos os problemas na cabeça de Max, ele ainda era perseguido por um grupo religioso que tem interesse nos “poderes místicos” do número PI, assim como algumas pessoas em Wall Street que querem ganhar uns trocados.

 A trilha sonora em Pi é um caso a parte. Com batidas pesadas de música eletrônica combinada com cenas perturbadoras, essas canções vão te lembrar tudo menos uma rave. Ao menos não uma rave em que você ficou sóbrio e não teve uma bad trip. Em uma das cenas mais psicóticas do filme, Max em um acesso de dores de cabeça vê um cérebro no chão de uma estação de metrô e o cutuca com uma caneta.





Pi, é um filme que pode mexer com a sua cabeça, então se você tiver tendências a delírios paranoicos não veja esse filme ou vai dar merda pro seu lado. Sei de um amigo meu que achou uma boa ideia assistir esse filme enquanto usava drogas e agora ele vê Pi em tudo quanto é canto. Mas para você que não é dado a crises de pânico por achar que alienígenas implantaram um chip de localização na sua cabeça é um filme legal.

Você pode achar Pi para download no blog clássico para nós fãs de filmes doidos: o cinema cultura.

O que eu faria para me divertir esse final de semana em Salvador

Para quem não sabe, após  a finalização do meu trabalho de conclusão de curso (TCC) eu fui exilado, expulso de Salvador. Desde então, todos os dias, quando eu olho meu maldito facebook   vejo alguma lugar para onde eu iria se estivesse na capital baiana. Então resolvi fazer uma lista de coisas que eu faria esse final de semana se não fosse um blogueiro pobre e estivesse em Salvador.




1 - Eu não sou o maior fã do mundo do circuito Sala de arte de cinema, entretanto o filme Elvis e Madona merece essa ida ao cinema da UFBA. Esse trabalho conta a história da motoqueira Elvis e do travesti Madona, uma quer ser fotografa, a outra produtora de teatro. Não vi esse filme ainda, mas tô morrendo de vontade ver. Quem for assistir, por favor, post uma breve resenha nos comentários desse blog.

Dias e preços:  Sexta: R$16,00 e R$ 8,00 - Sábado, domingo e feriados: R$18,00 e R$ 9,00

Local: Av. Reitor Miguel Calmon, s/n. Vale do Canela. Ao lado das Faculdades de Educação e Administração – PAC (Pavilhão de Aulas do Canela).

 2 - Sábado, 8 de outubro, vai tá rolando na praia dos livros a festa Cantando Cartola, onde a cantora Lane Quinto com o acompanhamento do violão de Daniel Santana. Onde: Espaço cultural sebo praia dos livros (largo do porto da barra) Quando: 8 de outubro (sábado) - 21h. Quanto: R$10,00(dez conto)

3- Graças a Mostra Sesc de artes, durante toda a semana no teatro Sesc- Senac Pelourinho tá rolando um monte apresentações legais. Esse final de semana vai ter:

07 de outubro, sexta-feira, 20h tem a montagem “Pouco amor não é amor” onde quatro personagens fantasiam encontros amorosos. O ingresso inteiro é R$ 10,00 (dez paus), R$5,00 (cinco paus) meia te dando entrada também para o som da banda Chita Fina que começa às 21h que tem o mesmo preço de entrada da peça. Me amarrei nessa casadinha

08 de outubro, sábado, 17h, tem a montagem “por quê? Qual? Que bicho é esse?”. O espetáculo é uma recital  de histórias com  diversos contos. A entrada é gratuita. Dia 08 de outubro também no esquema da casadinha. Você pode ver a peça de teatro “Rebu”(20H) e o ingresso também vale para o show Bailinho de Quinta (21h) que visa reavivar os antigos bailes de carnaval . O ingresso inteiro é R$ 10,00 (dez paus), R$5,00 (cinco paus) meia. Eu já comentei o quanto curti essa onda de ingresso casado?

 Onde: Teatro Sesc –Senac Pelourinho
 Quanto: R$10,00 e R$5,00.

 4 Mais uma peça. O espetáculo Cipriano estréia nesse sábado, 08, a partir das 20 h no teatro Raul Seixas. Cipriano conta a história de uma família desestruturada, pobre e cheia de conflitos inescrupulosos. R$10,00 (dez paus) entrada.


 Onde: Espaço cultural Raul Seixas
Quando: 08 de  outubro
Quanto: R$10,00 (dez paus)



Essa seria minha lista, espero que sirva para vocês.

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Banana do Inferno: A diferença entre fanáticos e religiosos


video



Videocast do Isto É Uma Banana. Já  pedimos desculpas por mostrar essa merda.

terça-feira, 4 de outubro de 2011

A lenda da culpabilidade da vítima de crimes que envolvem sexualidade

Quem nunca ouviu “foi ela que estava usando uma roupa muito provocante”, “foram esses viados que se exibiram muito”, “Ela tem 13 anos, mas sabe se insinuar”. A gente escuta muito esse tipo de coisa cretina quando o crime envolve sexualidade.

Vítimas de violência que envolvem questões de gênero, não raramente são apontadas como responsáveis por serem vítimas.

 Até ontem eu realmente achava que isso ocorria basicamente em relação ao estupro, mas hoje ao assistir uma matéria na Tv sobre dois homossexuais agredidos na avenida paulista, percebi que essa merda rola com uma diversidade de crimes bem maior. Durante a exibição dessa reportagem ouvi diversos comentários bizarros sobre como o fato do cara ser gay o fazia assumir o risco de levar uma surra na rua como um desgraçado. Ser homossexual entre quatro paredes pode, nas ruas não “existem espaços apropriados para isso” diziam as vozes.

 A prostituição infantil é outro exemplo. Muitas vezes essa prática é justificada com a ideia de “ela queria”, como se o fato do cara transar com uma guria de 10 anos de idade não o fizesse ser um doente. Quanto ao estupro, já virou um grande clichê nos tribunais o criminoso apontar para a vítima e afirmar que ela seria uma “vagabunda conhecida”. Como se o fato de uma mulher ser prostituta desse o direito a alguém de dar uma surra nela ou estuprá-la.

A culpabilidade da vítima é só mais um instrumento que visa facilitar a impunidade do criminoso. Não raramente esses crimes não são denunciados por conta do medo da humilhação que alguém pode ter em ser apontado como responsável pelo seu flagelo. Isso também de facilitar a absolvição de criminosos, afinal, juízes meio burros comem essa pilha de “ela queria” ou “o comportamento deles foi ofensivo a mim”, mas verdade seja dita, esses discursos foram criados justamente para salvarem criminosos da cadeia. E o pior é que funcionam.

Enquanto a gente continuar punindo a vítima do crime que envolve sexualidade o culpado continua circulando por aí, ferrando outras pessoas. Tudo por conta dos nossos medos e preconceitos bobos. É a típica imbecilidade crônica que governa tudo, cara.

Com informações do livro: Eu nem imaginava que era estupro por Robin Warshaw

TEASER QUINTA TRASH 6


QUINTA TRASH 6 from Daniel Lisboa on Vimeo.

Acho o conceito dessa festa muito legal. Parabéns para quem monta esse negócio.

Quando: 6/10 - QUINTA - 22H
Quanto:  R$15
Onde: Centro - Carlos Gomes. Ed. Bariloche. N 133.
Mais informações no site: http://www.carlosundergomes.org/

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

O Máskara em HQ contra as adaptações cinematográficas chatas.

Eu me lembro quando saiu o filme O Máskara (1994). Eu era criança, mas eu me lembro. Recordo que li a sinopse e minha mãe alugou o vídeo sem que eu pedisse. Tudo que veio na minha cabeça naquele momento foi “que tédio”. Sensação que não viria até mim se eu tivesse tido acesso  a HQ (história em Quadrinhos) O Máskara responsável por inspirar o filme.


 No HQ aquele herói retardado que aparece no filme simplesmente não existe, pois o Máscara dos quadrinhos é muito sanguinolento, muitos chegam a comparar o personagem ao coringa do Batman. Honestamente fiquei meio puto da vida quando soube disso. O Máskara seria um filme muito melhor caso fosse mais próximo dos quadrinhos. Entendo que uma produção popular precise ser produzida de forma que garanta lucro, mas isso não quer dizer que se deva perverter uma obra de tal forma que ela perca o seu sentido original.

Não que o Máscara da HQ seja um exemplo de discurso filosófico sobre a vida e a morte, na verdade o que rola mesmo é violência gratuita, mas ainda assim é mais interessante que aquele merdinha que aparece no filme e no desenho animado.



 Não sou desses fãs de quadrinhos que exigem que as adaptações cinematográficas sejam idênticas aos originais em revista. Cada qual em sua linguagem, pois existem elementos narrativos que ficam legais no HQ, mas no cinema uma bosta. Entretanto também perder toda a essência do produto também não é legal.

 Você assistiria um filme onde Karl Marx é representado como um rico empresário explorador do proletário? Nem eu. Acho que essa galera tem que tomar mais cuidado nessas adaptações ou então esse bando de filmes baseados em quadrinhos só vão dar vergonha alheia.

Pinheiros de natal se vingam de massacre ecológico no curta Treevenge




Imagine essa: pinheirinhos de natal matando gente em represália a árvores mortas durante a festa que representa o nascimento de Jesus Cristo. É um curta de 16 minutos cheio de sangue é  indicado para os fãs o gênero como eu.

Essa trash crítica ecológica foi dirigida por Jason Eisener responsável pelo Hobo With a Shotgun, mais um dos filmes pertencentes ao projeto Grindhouse criado por Quentin Tarantino e Robert Rodrigues.



Obs: desculpem, mas eu não achei cópias com legendas em Português, entretanto acredito que dá para ter uma idéia do que é o vídeo apenas assistindo. 

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Dica de livro: 1001 discos para se ouvir antes de morrer

Sem dúvida esse é um livro escrito para quem gosta de músicas legais, e melhor ainda, ajuda a gente a entender as influencias dos nossos ídolos de hoje.


1001 discos para se ler antes de morrer é um livro escrito a mão de mais de 90 críticos musicais, que não só escreveram sobre música, mas também acompanharam a evolução dos ritmos e as mudanças no cenário musical dos últimos 60 anos.

Apesar de ter uma foto do Sid Vicious na capa, esse livro vai muito além do rock, com essa leitura é possível ver as transformações que ocorrem no meio musical do Funk, Soul, Rap, pop. Tudo está nele.

 Nesse livro eu encontrei alguns dos meus discos favoritos hoje como o The Good, the bad & the queen da megabanda The God, the bad, the queen cujo vocalista é ninguém menos que Damon Albarn (blur e Gorillaz). Outro álbum nesse livro pelo qual me apaixonei foi o Abraxas do guitarrista Santana, afinal, ouvir Santana tocando é sempre legal.

 Em fim, quem estiver com esse livro vai encontrar material sonoro de qualidade pro resto da vida. Eu achei.

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Um som legal que eu achei por aí: Guitar Wolf

A gente não escreve sobre Guitar Wolf, só escuta e pira.

.











 Me diga se não dá vontade de sair por aí provocando caos?

Histórias sobre revistas eróticas

 Os primeiros exemplos próximos do que viria a ser uma revista erótica no Brasil estão datados do final do século XIX. A principal delas teria sido a Rio nu que durou de 1898 à 1916, essa revista se inspirava em trabalhos europeus do gênero, mas ainda assim tinha muito mais conteúdo de humor que sexual.

 Nessa mesma época muitos cabarés vendiam pequenos panfletos pornográficos, que não eram muito bem vistos pela polícia responsável por apreender esse tipo de material. É importante falar que oficialmente o primeiro nu completo publicado em uma revista no Brasil teria sido em 1925, entretanto pouco se sabe sobre as publicações eróticas clandestinas, muitas delas poderiam conteúdos que iriam mais além que o nu.

 No ocidente a Dinamarca foi o primeiro país a legalizar a pornografia com imagens de nu completo e sexo explícito em 1969, muitos outros países escandinavos seguiram esse mesmo caminho.

 Em 1975 a editora abril lança a Revista do Homem que na verdade era a versão brasileira da Playboy, entretanto a ditadura militar não permitiu a utilização do nome original que só pode ser usado em 1979.

A  ditadura militar não permitia que nessas revistas aparecessem o nu completo, apenas do tórax para cima. A primeira vez em que isso foi autorizado, aconteceu já no início da década de 1980 pela revista Ele Ela que tinha como proposta ser lida pelo casal, devido aos seus textos que tratavam de relacionamentos e mulheres. A partir daí as portas foram abertas, vários títulos pornográficos começaram a surgir, muitos deles com imagens de sexo explícito.

 Nessa época também começou a divisão entre revista pornográfica e erótica no Brasil. As pornográficas possuíam mais fotografias de sexo, menos textos e anunciantes. A erótica tinha menos nudez, bastante textos, anunciantes, além de ser produzida com um material de mais qualidade melhorando estilo das fotografias.

Hoje com a Internet e pirataria a pornografia se tornou algo de muito fácil acesso, qualquer garoto com um computador pode baixar revistas eróticas e ou ver vídeos de sexo no You tube. A pornografia na verdade ganhou até  um ar de glamour, embora o artista que faz arte erótica ainda não é muito bem visto por muitos. Lembro-me da declaração da Mara  Maravilha que posou nua nos anos de 1990 "eu me senti prostituída" ela disse .

Pornografia é sempre um assunto que leva as pessoas a terem reações exageradas, e mulheres que participam do processo de produção disso são mal vistas por diversos setores da sociedade que fingem nunca terem batido uma punheta.


Com informações do livro:Das maravilhas e prodígios sexuais: a pornografia "bizarra" como entretenimento por Jorge Leite Júnior